sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Jericoacoara

Pedra furada

Jericoacoara é um dos locais mais visitados do Ceará e na nossa opinião o mais bonito e agradável de ficar. A praia já foi eleita uma das 10 mais bonitas do mundo e o local é muito pitoresco, as ruas são de areia, não existe iluminação pública, a rede elétrica é subterrânea e é difícil chegar sem 4 x 4, ou seja, é o lugar ideal para descansar da correria do dia a dia.
 Passeio a Tatajuba

Para chegar: Saímos de Fortaleza rumo ao litoral oeste, a princípio fomos seguindo as placas, mas o nosso GPS pedia para trocar de rodovia. Optamos então por seguir as instruções dele, mas não deu muito certo. A estrada 222 era pior e acabamos nos perdendo pois o sinal do GPS sumiu no meio da viagem. Depois descobrimos pelos moradores de Jeri que a melhor rodovia para fazer este trajeto é a CE-085 voltamos por ela e realmente é muito melhor, então anote: Rodovia CE-085 de Fortaleza a Jeri é o melhor caminho.
Hospedagem: Ficamos no Pousada Atlantis, ela é muito bem localizada pois fica próximo a Duna do Por do Sol e da praia e longe da badalação e do barulho. Mas como tudo é perto em Jeri, você chega lá em menos de 5 minutos caminhando. Nosso quarto era simples e sem ar condicionado, mas isso nos foi dito antes mesmo da reserva. O café da manhã é simples mas muito gostoso com bolos e sucos naturais feitos na hora. É um bom custo x benefício.
http://www.pousada-atlantis-jericoacoara.moonfruit.com/
Restaurantes: A praia tem excelentes restaurantes e uma gastronomia bastante diversificada, faltou tempo para conhecer os restaurantes e experimentar todos os pratos que gostaríamos. Entre os que destacamos estão: Restaurante Rústico e Acústico https://www.facebook.com/pages/Restaurante-R%C3%BAstico-E-Ac%C3%BAstico/367874003227279; o Ristorante e Pizzaria Leonardo da Vinci que tem um ceviche de robalo delicioso,  http://www.portaljericoacoara.com.br/restaurante_leonardo_da_vinci_jericoacoara.html; o Café Brasil, no local comemos sanduíches e adoramos são grandes, muito gostosos e os preços são bem acessíveis. http://www.jericoacoara.com/j1/pages/posts/cafC9-brasil163.php. Fora de Jericoacoara, mas durante o passeio de Tatajuba fomos também na Barraca do Didi, eles mostram o peixe fresco, você escolhe e depois eles trazem assado, muito bom.
Agência de turismo: Não utilizamos nenhuma agência de turismo em Jericoacoara, contratamos os passeios diretamente na pousada. Fizemos os passeios com a mesma cooperativa de buggys e adoramos o atendimento. O e-mail do bugueiro é geules_aventura@yahoo.com.br

Lagoa do Paraíso

Chegar em Jeri foi mais complicado que pensávamos, nosso GPS não ajudou no trajeto e não existiam muitas placas sinalizando a estrada. Nos perdemos, demoramos muito mais que o previsto, mas finalmente chegamos a Jijoca de Jericoacoara, a cidade que serve como porta de entrada para Jeri. Depois de passar muito tempo na estrada descobrimos que os moradores locais utilizam uma rodovia que quase não aparece nos  mapas mas que é a melhor rota entre a capital e Jijoca. A CE-085 conhecida também como Estruturante é a estrada que está em melhor condições e que torna o caminho mais curto (cerca de 3 horas).

Mapa da CE-085

Quando chegamos em Jijoca na entrada da cidade já existe um ponto de informações turísticas e uma guia nos abordou nos dando três opções para chegar até Jeri. A primeira era de contratar um guia mirim que nos levaria no nosso carro até Jeri pelo custo de R$ 50,00 o trajeto. A segunda era deixar nosso carro num estacionamento com diária a R$ 10,00 e então contratar uma caminhonete 4 x 4 para o transporte particular por R$ 70,00. A ultima opção era esperar a Jardineira que cobra R$ 15,00 por pessoa, mas que precisa encher para depois iniciar o trajeto. Como já estávamos muito cansados e com pressa de chegar contratamos o 4 x 4 pois ficamos com medo de ir com nosso carro e ele ficar atolado nas dunas e também não queríamos esperar a jardineira. Obs: Todos os valores são apenas para ida e no caso de optar por ir de carro próprio até Jeri também é cobrado estacionamento no valor de R$ 10,00.

Caminho de Jijoca a Jericoacoara

O caminho até Jeri já é um passeio, as dunas começam a surgir e a paisagem vai se modificando aos poucos, cerca de 40 minutos chegamos na Pousada Atlantis, fizemos o check-in e fomos caminhar e conhecer a pequena vila. Estávamos a procura de um restaurante para almoçar e esta foi uma decisão difícil pois são diversas opções. Escolhemos o Rústico e Acústico um restaurante pequeno mais muito bem decorado e com uma comida deliciosa, o que nos chamou a atenção até ele foi o cheiro delicioso de comida que saía de lá.

Depois do almoço nos trocamos e fomos conhecer a praia, o dia não estava muito bonito, de acordo com o pessoal de Jeri fomos na época de chuvas que geralmente vai de fevereiro a junho, mas mesmo assim aproveitamos para tomar um bom banho de mar, caminhamos pela orla, passamos uma parte de pedras e chegamos a outra linda praia, experimentamos caipirinhas das barraquinhas que ficam na praia, aliás recomendamos a caipirinha de seriguela, é uma delícia!

Jericoacoara

A noite o clima em Jeri é muito romântico, como não existe iluminação pública as luzes vem apenas das pousadas e restaurantes e muitos utilizam velas e música ao vivo para deixar o clima ainda mais gostoso. Feirinhas se formam nas ruas principais e todos os turistas circulam pela vila. Os idiomas são os mais diversos possíveis, mas todo mundo acaba se entendendo. Na primeira noite depois de caminhar escolhemos o Ristorante Leonardo da Vinci para um agradável jantar, comemos um ceviche de robalo delicioso seguido por uma tradicional pizza italiana.

Jericoacoara tem basicamente dois passeios, nós iniciamos pelo de Tatajuba. O guia nos pegou na pousada por volta das 09:00 horas e já havia um casal no buggy (você pode contratar para duas pessoas e pagar o valor integral ou opta por rachar o valor com outro casal visto que o buggy é para 4 pessoas). O passeio segue para o lado oeste de Jeri, passa pela Duna do Pôr do Sol, segue pela praia e a primeira parada foi para ver os cavalos marinhos, mas a maré ainda estava cheia e seguimos a diante.

Mangue seco 

Atravessamos o rio por uma balsa e logo a frente ficava o mangue seco, um local lindo, com raízes de gigantes com o mar logo atrás. Seguimos a diante e passamos pela antiga Tatajuba que foi coberta pelas dunas móveis, não sobrou muita coisa para se ver e no local tem uma senhora que conta a história do local. Depois o passeio continua passando pela nova Tatajuba, outro ponto de parada é na maior duna da região, lá tivemos a opção de descer de esquibunda e subir de quadriciclo. O último ponto de parada e onde ficamos para almoçar foi na Lagoa da Torta, na Barraca do Didi. Lá tem as redes que ficam dentro da água, o cliente escolhe o peixe fresco antes do preparo. É uma delícia ficar ali, o tempo se perde, e você ainda tem diversos esportes aquáticos a disposição, mas nós só queríamos descansar e optamos por não sair das redes.

 Lagoa da Torta

No retorno, com a maré baixa paramos para ver os cavalos marinhos, o passeio não está incluso no valor do buggy e se paga R$ 10,00 por pessoa num passeio de barco pelo rio Guriú com cerca de 25 minutos. Os cavalos marinhos geralmente ficam nas encostas do rio e o barqueiro experiente os acha facilmente.

 Cavalo Marinho

Por volta das 15hs estávamos de novo em Jeri e queríamos conhecer a Pedra Furada que fica cerca de 3km de distância do centro da vila. Existem três opções para chegar até lá: caminhando pela praia; no fim do passeio da Lagoa do Paraíso em que o bugueiro para a cerca de 1km; ou contratando uma charrete que leva até o farol e é necessário descer o serrote. Nós fomos de charrete mas não recomendamos, a charrete balança muito e geralmente é conduzida por crianças. Mas de uma forma ou outra você tem que ir até lá pois o local é lindo e digno de cartão postal.

Pedra furada

Para terminar um dia mais que especial fomos para a duna do pôr do sol, quando chegamos lá ela já estava cheia, mas ficou lotada em poucos minutos. Conseguimos nosso lugar na "primeira fila" e tivemos a oportunidade de assistir a um pôr do sol diferente, pois em Jeri é um dos únicos lugares do Brasil em que o sol se põe no mar. Descer da duna é uma das partes mais divertidas pois todos querem descer pela parte mais difícil, alguns vão de rolo, outros descem correndo e algumas vídeo-cacetadas acabam acontecendo..

Pôr do sol

No dia seguinte fomos para o nosso segundo passeio em Jeri, dessa vez fomos para a direção leste, passamos pela trilha da coruja e paramos na árvore da preguiça que fica na Praia do Preá. Devido aos fortes e constantes ventos da região a árvore não conseguiu se erguer e cresceu horizontalmente. Ela é sinônimo de força, resistência e se tornou um grande cartão postal na região.

Árvore da preguiça

O dia não estava muito bonito, e no caminho até a Lagoa Azul choveu, mesmo assim seguimos a diante. Geralmente para chegar até o restaurante do local é necessário atravessar uma balsa no valor de R$ 5,00 por pessoa, mas como a época de chuvas começou somente agora o nível da lagoa estava baixo e conseguimos atravessar a pé. O local é bastante agradável, possui as mesas dentro da lagoa e tem também as redes que são bastante disputadas. Como choveu lá também a lagoa não estava azul, mas mesmo sim gostamos bastante do local.

Lagoa Azul 

Depois de cerca de 1 hora, voltamos para o buggy e seguimos para a Lagoa do Paraíso. As duas lagoas são bem próximas e na época de chuvas se tornam uma só, mas achamos a infraestrutura da segunda melhor (aceita cartão de crédito, mas é bom levar dinheiro pois em dias com muitas nuvens o sinal é muito ruim),  bem como a paisagem ao redor que deixa o lugar mais bonito.

Redes na Lagoa do Paraíso

A água é muito clara, mas acho que devido a chuva não estava tão morna quanto esperávamos. Mesmo assim era difícil sair da água, é muito gostoso ficar descansando nas redes. Depois de cerca de 2 horas no local começou a chover forte e logo depois decidimos voltar para Jeri.

Lagoa do Paraíso

De volta a Jeri pegamos nossas malas na pousada e iríamos procurar uma jardineira para voltar a Jijoca e pegar nosso carro, mas a dona da pousada e o bugueiro não nos recomendaram a ir de jardineira pois ela demora muito a sair, ele então nos deixou na Fretcar (http://www.fretcar.com.br/) e pegamos uma carona no ônibus deles até Jijoca. A Fretcar parece ser uma boa opção para quem quer ir até Jeri também, dê uma olhada nos horários e valores antes de decidir sua viagem.

Praia de Jeri

Adoramos conhecer Jericoacoara e queremos muito ter a oportunidade de retornar a este lugar tão pitoresco, quem sabe para fazer o passeio que vai de Jeri até os Lençóis Maranhenses passando pelo Delta do Paranaíba, sendo a viagem feita quase toda pela praia. Então, até logo Jeri!

4 comentários:

  1. Muito bom Debora e Vitor! Um ótimo blog! acabamos de postar na nossa página no Facebook :-)

    ResponderExcluir
  2. Quero passar minhas férias em Jeri, mas estou preocupada, pois pelo que li até agora é uma praia bem rústica, e eu tenho um bebê de 1 aninho, vc levaria um bebê pra lá??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Caroline, obrigada pelo comentário. É difícil responder porque ainda não tenho filhos, mas acho que com uma criança de 1 aninho escolheria outra praia. Jeri é lindo, mas realmente é rústico. Se você precisar andar com o carrinho terá dificuldades pois as ruas são de areia. Não lembro de ter visto muitas crianças por lá. Outra dificuldade são os passeios, na maioria feitos de buggy e com muito vento para os bebes e passam o dia todo rodando (mas se você quiser ir acho que os passeios você pode tentar fazer em carro fechado 4 x 4, mas são mais caros). Mas claro que isso varia muito de pessoa para pessoa e como vocês são, aventureiros ou mais urbanos e o que esperam das férias. Espero ter te ajudado = )

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita em nosso blog.